SUSPEITO DE MATAR POLICIAL CIVIL SE ENTREGA NA DEHOM

Postado em Atualizado em


O quarto suspeito de participar do assassinato do policial civil José Luciano de Oliveira se entregou à Polícia Civil. Na noite desta quarta-feira (28), após perseguição de policiais civis e militares, Rodolfo Barbosa de Lemos, de 20 anos, se apresentou na Delegacia de Homicídios.

O suspeito era perseguido deste a noite de terça-feira (27), quando José Luciano de Oliveira, à serviço da Delegacia de Narcóticos (Denarc), foi assassinado enquanto investigava uma possível “boca-de-fumo” em Felipe Camarão. Na ação das polícias Militar e Civil, dois suspeitos de participação no crime foram presas ainda na terça e, já no início da tarde desta quarta-feira, o suspeito Paulo Avelino da Silva, vulgo “Fala Fina”, foi morto em confronto com os policiais. Dos quatro suspeitos, apenas Rodolfo seguia foragido.

Os policiais perseguiram o suspeito por entre Felipe Camarão e o Bairro Nordeste, sem conseguir capturá-lo. Na ação, inclusive, a polícia chegou a deter outra pessoa, mas pouco tempo depois foi confirmado que não se tratava de Rodolfo. De acordo com a Polícia Civil, familiares entraram em contato com dois delegados temendo que o suspeito pudesse também ser morto.

Já na Delegacia de Homicídios (Dehom), o suspeito vai responder por perseguição ininterrupta e será investigada a sua participação no homicídios.

FONTE: http://www.tribunadonorte.com.br

Anúncios

TRIBUTO AOS POLICIAIS – HERÓIS DE CADA DIA

Postado em Atualizado em


Quando Deus Criou o Policial

Deus estava no sexto dia de horas extraordinárias,quando aparece um Anjo e lhe diz:

Estás levando muito tempo nessa criação Senhor!O que tem de tão especial esse homem?

Deus respondeu: tu já viste o que me pedem neste modelo? Um policial tem que correr 10 km por ruas escuras, subir paredes, pular muros, entrar em matagais, invadir casas que nem um fiscal de saúde pública ousa penetrar, e tudo isso, sem sujar, manchar ou rasgar o seu uniforme. Tem que estar sempre em boa forma física, quando nem sequer lhe dão tempo para comer. Tem que investigar um homicídio, buscar provas nessa mesma noite e, no outro dia, ir até o tribunal prestar depoimento. Também tem que possuir quatro braços, para poder dirigir sua viatura, atirar contra criminosos e ainda chamar reforço pelo rádio.

O Anjo olha para Deus e diz: quatro braços? Impossível!

Deus responde: não são os quatro braços que me dão problema e sim três pares de olhos que necessita.

Isto também lhe pedem nesse modelo? – pergunta o Anjo.

Sim, necessita de um par com raios-X, para saber o que os criminosos escondem em seus corpos; necessita de um par ao lado da cabeça para que possa cuidar de seu companheiro e outro para conseguir olhar uma vítima que esteja sangrando e ter discernimento necessário para dizer que tudo lhe sairá bem, quando sabe que isto não corresponde à verdade.

Nesse momento, o Anjo diz: descansa e poderás trabalhar amanhã.

Não posso, responde Deus! Eu fiz um policial que é capaz de acalmar ou dominar um drogado de 130 quilos sem nenhum incidente e, ao mesmo tempo, manter uma família de cinco pessoas com seu pequeno salário. Ele estará sempre pronto para morrer em serviço, com sua arma em punho e com sentimento de honra correndo junto ao sangue.

Espantado o Anjo pergunta a Deus: mas Senhor, não é muita coisa para colocar em um só modelo?

Deus rapidamente responde: não. Não irei só acrescentar coisas, mas também irei tirar. Irei tirar seu orgulho pois, infelizmente, para ser reconhecido e homenageado ele terá que estar morto. Ele também não irá precisar de compaixão: pois, ao sair do velório de seu companheiro, ele terá que voltar ao serviço e cumprir sua missão normalmente.

Então ele será uma pessoa fria e cruel? – Pergunta o Anjo.

Certo que não – responde Deus. Ao chegar em casa, deverá esquecer que ficou de frente com a morte, e dar um abraço carinhoso em seus filhos dizendo que está tudo bem. Terá que esquecer os tiros disparados contra seu corpo, ao dar um beijo apaixonado em sua esposa. Terá que esquecer as ameaças sofridas, ao ficar desesperado quando o salário não der para pagar as contas no final do mês e terá que ter muita, mas muita coragem para no dia seguinte, acordar e retornar ao trabalho, sem saber se irá voltar para casa novamente.

O Anjo olha para o modelo e pergunta: além de tudo isso, ele poderá pensar?

Claro que sim! – Responde Deus. Poderá investigar buscar e prender um criminoso em menos tempo que cinco juízes levam discutindo a legalidade dessa prisão… Poderá suportar as cenas de crimes às portas do inferno, consolar a família de uma vítima de homicídio e, no outro dia, ler nos periódicos que os policiais são insensíveis aos “Direitos dos Criminosos”.

Por fim, o Anjo olha o modelo, passa-lhe os dedos pelas pálpebras e fala para Deus:
tem uma cicatriz e sai água. Eu te disse que estavas pondo muito nesse modelo!

Não é água, são lágrimas… Responde Deus.

E por que lágrimas? – Perguntou o Anjo.

Deus respondeu: Por todas as emoções que carrega dentro de si…
Por um companheiro caído…
Por um pedaço de pano chamado bandeira…
E por um sentimento chamado justiça!

És um gênio! – responde-lhe o Anjo.

Deus o olha, todo sério, e diz:
não fui eu quem lhe pus lágrimas… Ele chora, porque é simplesmente um homem!

Dedicado a todos os guerreiros anônimos, que deixam suas casas, famílias, amigos e sonhos, encarando a morte no combate à criminalidade, garantindo assim a ordem pública e zelando pela nossa segurança, mesmo que isso custe suas próprias vidas!

“O policial é um acadêmico, que um dia aprendeu na escola que nossas vidas têm mais valor que a dele.”

“… quando o céu está cheio… os anjos (Policiais) caminham pela terra.”

RETIRADO: Comunidade da PMRN – Orkut

NOTA DO BLOG: Dessa forma somos vistos pela sociedade. Pessoas que devem resistir a tudo e suportar todas as dores sem reclamar. Não podemos adoecer, não podemos chorar, … não podemos viver.
Somos, todos os dias, heróis anônimos que arriscamos nossas vidas em troca de um pouco de justiça.

APESAR DAS TURBULÊNCIAS, O MOVIMENTO CONTINUA NO CEARÁ

Postado em Atualizado em


Apesar das autoridades policiais e de trânsito do Estado do Ceará assinarem um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), o qual prevê, entre outras medidas, o retorno imediato dos policiais que se negaram a dirigir as viaturas da corporação por falta de habilitação ou por falta do documento do veículo, os policiais militares do Ceará afirmaram que o Movimento continua.

Os policiais prometem continuar a propagar o Movimento Tolerância Zero, iniciado no último final de semana. As mulheres desses policiais também prometem realizar novas manifestações e tentar impedir a segurança no estádio Castelão, onde ocorre no próximo domingo a final do Campeonato Estadual entre o Ceará e Fortaleza.

Entre as reivindicações dos policiais está a redução da jornada de trabalho de 48h para 40h semanais e o melhor atendimento no Hospital da PM, que apresenta-se em péssimas condições.

Outras Manifestações:

Outra forma de manifestação dos policiais do Ceará é uma caminhada a ser realizada no próximo dia 1º de maio, devendo ser percorrido 3,5 km na Capital Cearense.


Consequências:

Em seu blog o Maj Adrianizio já expressou a consequência para com a sua pessoa, uma vez que o mesmo atuou veementemente na propagação do Movimento Polícia Legal e Tolerância Zero. Abaixo o desabafo do oficial.

Mais uma vez o interesse de poucos,
se sobrepõem a necessidade de milhares.

De cabeça erguida e firme na fé em Deus, estou mais uma vez de malas prontas.

Meu destino será o SERTÃO, com certeza por lá haverão muitos sedentos.

Mas estarei sempre junto com aqueles que mais amo.

Abraço fraterno à todos da Capital Alencarina.

Uma verdade lhes digo:
– No banquete final, nós seremos os homenageados
.

COMANDO DA PM VAI PREMIAR POLCIAIS QUE APREENDEREM ARMAS

Postado em Atualizado em

Araújo Silva concedeu entrevista ao programa Diógenes Dantas Nominuto e falou sobre as mudanças na segurança pública do Estado.


As constantes mortes e execuções registradas no Rio Grande do Norte nos últimos tempos são frutos, principalmente, das facilidades que os bandidos encontram em comprar armas. Com isso, o Comando Geral da Polícia Militar está intensificando o trabalho de apreensão de armas e pretende premiar os policiais que conseguirem retirar armas das ruas.

Na manhã desta quarta-feira (28), o comandante geral da PM, coronel Araújo Silva, informou que um projeto foi apresentado ao Governo do RN e já se encontra na Assembleia Legislativa. Ele concedeu entrevista ao programa Diógenes Dantas Nominuto, que vai ao ar nesta quarta-feira às 13h, no canal 27 analógico e 127 digital da cabo Telecom, a TV Nominuto, e falou sobre as mudanças na segurança pública do Estado.


De acordo com Araújo, o policial militar que conseguir apreender uma arma ganhará uma gratificação em dinheiro, que será determinada de acordo com o calibre da arma. Além disso, os PMs também poderão receber condecorações.

“Nosso objetivo é valorizar o trabalho dos policiais e impedir o desvio de conduta”, destacou. O comandante da PM falou também que algumas medidas estão sendo adotadas para melhorar o policiamento no interior do Rio Grande do Norte.

“O Comando do Policiamento Rodoviária Estadual, que atualmente só funciona em Natal, será estendido a todo o Estado. O objetivo é realizar barreiras para impedir a prática de assaltos nas rodovias, principalmente, na região Oeste, que sofre com esse problema”.

Para melhorar ainda mais esse policiamento, coronel Araújo Silva explicou que a polícia do Rio Grande do Norte tem trabalhado em parceria com as policiais dos estados vizinhos. “Agora, fomos eleito presidente do Conselho Regional de Comandantes do Nordeste. Então, não existe mais essa história de um policial do RN não poder entrar na Paraíba e vice-versa”, declarou.

O oficial lembrou ainda das medidas que foram anunciadas quando assumiu o comando da Polícia Militar. “Nós começamos a fazer o levantamento de todos os policiais militares que estão com desvio de função e eles estão começando a retornar para o quartel, de onde vão trabalhar no policiamento”.

Araújo Silva frisou que atualmente são pelo menos 400 PMs trabalhando em outros setores e que com a determinação do Governo do Estado deverão retornar para as ruas, realizando policiamento ostensivo. “Alguns, nem lembravam mais que eram policiais”, ressalta.

Durante a entrevista, o comandante foi questionado pelo jornalista Diógenes Dantas como está a situação da Polícia Militar nas delegacias do Estado. Ele informou que no interior várias unidades ainda dependem do efetivo da PM.

“Hoje, nós temos 600 policiais a serviço da Secretaria de Justiça e Cidadania, seja realizando a guarda em presídios ou autuando em delegacias. Mas, com a conclusão desse concurso para agente penitenciário, esperamos resgatar esses PMs”.

FONTE: http://www.nominuto.com

NOTA DO BLOG: Com todo respeito que tenho pelo Cel Araújo, infelizmente, ele só não falou da burocracia que é para receber essa gratificação. O projeto, em si, tem boa intenção, mas dificulta nos entraves encontrados. Acredito que poderia ser melhor se o policial recebesse no momento da apreensão os papéis de diárias operacionais referente ao valor da arma. De qualquer forma, o Projeto de Lei segue abaixo para conhecimento na íntegra.

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE:
Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1° Fica instituído o Programa Estadual de Incentivo ao Desarmamento, destinado a premiar pecuniariamente os Policiais Civis e Militares Estaduais que, no exercício de suas funções, sejam responsáveis pela apreensão de armas de fogo, acessórios e munições, em situação irregular, e correspondente entrega dos objetos apreendidos ao órgão indicado no art. 2º desta Lei.
§ 1° Considera-se em situação irregular a arma de fogo, acessórios e munições encontrados em desacordo com o Estatuto do Desarmamento, Lei Federal nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003.
§ 2° Os policiais civis e militares estaduais de que trata o caput deste artigo deverão pertencer ao serviço ativo da Polícia Civil ou da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte, respectivamente.
Art. 2° As armas de fogo, acessórios e munições apreendidos deverão ser formalmente entregues ao órgão policial competente para adoção dos procedimentos legais cabíveis.
Art. 3° A premiação pecuniária de que trata esta Lei será ocasional, paga por evento, conforme regulamentação, e em nenhuma hipótese integrará ou poderá ser
incorporada aos vencimentos, subsídio ou soldos dos policiais civis e militares estaduais.
§ 1º O regulamento desta Lei definirá a forma de concessão da premiação pecuniária, os respectivos valores, por evento, levando em conta inclusive o grau de potencial periculosidade da arma de fogo e acessórios apreendidos, a quantidade e o calibre
da munição apreendida, o número de policiais participantes da operação, além de outros aspectos e condições.
§ 2º A premiação pecuniária prevista no art. 3° desta Lei não será devida nos casos de apreensão de arma de fogo sem prestabilidade, obsoleta, destinada a atividades folclóricas ou de fabricação artesanal.
Art. 4º O Secretário de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social designará, dentre Oficiais da Polícia Militar e Delegados de Polícia Civil, comissão de cinco membros, incumbida da verificação e reconhecimento da procedência da solicitação de
premiação formulada em favor dos policiais civis ou militares estaduais responsáveis pela apreensão.
§ 1º A comissão será presidida por um de seus integrantes, deliberará por maioria de votos, em procedimento sumário, após exame da documentação apresentada e, quando necessário, colherá outros dados e informações, fundamentando sua decisão de forma
sucinta.
§ 2º Da decisão da comissão caberá recurso, pelos policiais civis ou militares estaduais interessados, no prazo de três dias úteis, dirigido ao Delegado Geral da
Polícia Civil ou ao Comandante Geral da Polícia Militar, respectivamente.
§ 3º A decisão da comissão será sempre comunicada ao Secretário de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social, que poderá discordar por despacho fundamentado, em decisão irrecorrível, salvo no caso de nulidade desta.
Art. 5º Os responsáveis por aplicações indevidas das disposições desta Lei, independentemente da responsabilidade penal e civil, serão indiciados em processos
disciplinares, na forma da legislação própria.
Art. 6º As despesas necessárias ao cumprimento do disposto nesta Lei correrão por conta das dotações orçamentárias da Secretaria de Estado da Segurança Pública e
da Defesa Social, as quais serão suplementadas, se necessário.
Art. 7º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de sua regulamentação, por Decreto do Chefe do Poder Executivo, a ser
expedido no prazo de até 60 (sessenta) dias.
Palácio de Despachos de Lagoa Nova, em Natal − RN, de de 2010, 189º da Independência e 122º da República.

UM DOS ACUSADOS DE MATAR POLICIAL CIVIL É MORTO DURANTE TROCA DE TIROS

Postado em Atualizado em


José Luciano de Oliveira (Policial Civil da DENARC)

Acusado de matar policial civil é morto e outro baleado em Felipe Camarão

Paulo Aovelino, um dos acusados de matar o policial civil José Luciano de Oliveira, de 35 anos, foi morto na tarde desta quarta, ao reagir a abordagem policial na Travessa Padre Cícero, em Felipe Camarão, Zona Oeste de Natal. O outro acusado que estava sendo procurado e estava com ele identificado até o momento apenas por Rodolpho foi baleado, mas conseguiu fugir.

De acordo com a polícia, os dois suspeitos reagiram a ação policial atirando nos policiais ao serem abordados. Na troca de tiros, Paulo foi morto. Desde o crime ontem que 500 policiais estão em diligências na tentativa de localizar os quatro acusados. Dois identificados como José Weberson Clemente, o “Binho”, 18 anos, e José Uildo Aovelino da Silva, 21 anos, foram presos ainda na noite do assassinato e confessaram o crime.


Respectivamente, Paulo (morto na troca de tiros) e Rodolfo (continua foragido)

A polícia agora faz diligências para tentar capturar Rodolpho. José Luciano foi morto ontem durante um trabalho de levantamento que fazia que fazia para a delegacia de narcóticos, onde era lotado. Ele analisava pontos de drogas e bocas de fumo em Felipe Camarão.

Da redação do DIARIODENATAL.COM.BR

"GREVE BRANCA" DA PM ATINGE TODA RMF E CHEGA AO INTERIOR

Postado em Atualizado em

FONTE: http://www.diariodonordeste.globo.com

Ceará – As cenas se repetiram. Nos pátios dos quartéis, dezenas de viaturas paradas. PMs de Sobral e Canindé aderiram

A ´greve branca´ deflagrada pelos policiais militares em Fortaleza se estendeu, ontem, por toda a Região Metropolitana e por vários batalhões e companhias da Corporação situados no Interior do Estado. Desde a manhã de segunda-feira até o fim da noite passada, praticamente todas as viaturas empregadas no policiamento da Grande Fortaleza – cerca de 200 – estavam paradas nos pátios dos quartéis. Pela manhã, apenas seis haviam sido conectadas à Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops). À tarde, esse número passou para nove.

Até por volta das 19 horas, a Ciops havia deixado de atender à 257 ocorrências. Eram chamadas feitas – via telefone – pela população para solucionar ocorrências como assalto, roubo ou furtos de veículos, briga de vizinhos, agressão, ameaça e até registro de som em alto volume. “Desculpe senhor, mas nenhuma ocorrência está sendo atendida. Não há viaturas disponíveis”, repetiam as telefonistas da Ciops aos cidadão da Capital durante toda a terça-feira.

Desguarnecida

Na noite de segunda-feira e a madrugada de ontem, a cidade ficou completamente desguarnecida. Em companhias como a 3ª Cia/5º BPM, no Pirambu, as 19 viaturas do Ronda do Quarteirão e do Policiamento Ostensivo Geral (POG) foram ´entregues´ pelos PMs motoristas aos seus superiores. Alegando que os veículos não estavam com seus documentos, os militares se recusaram a dirigi-los. Além disso, argumentavam que não possuem o curso de habilitação para veículos de emergência, conforme exige o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

O argumento, no entanto, foi apenas um pretexto dos PMs para cruzarem os braços, pois a categoria vem lutando há meses para que sejam implementadas as suas verdadeiras reivindicações: redução da jornada de trabalho (de 48 para 40 horas semanais), adoção de um plano de saúde e aumento salarial.

No pátio externo do Comando do Policiamento da Capital (CPC), na Praça José Bonifácio, Centro, o quadro visto durante o dia de ontem foi o mesmo da segunda-feira passada. Dezenas de Hilux do Ronda do Quarteirão e das companhias que integram o 5º e o 6º batalhões ficaram estacionadas. Os PMs entregaram as chaves dos carros aos seus comandantes. Alguns informaram que iriam ficar nos quartéis. Outros disseram que fariam o policiamento a pé, como acontecera na tarde anterior. Só na área da 3ª Companhia, 13 bairros ficaram sem patrulhamento entre as 22 horas de segunda-feira e o fim da noite passado. Os Municípios de Caucaia e Maracanaú foram os mais atingidos na Região Metropolitana de Fortaleza.

Trégua

Ainda pela manhã, a movimentação de PMs no Comando do Policiamento da Capital foi intenso e somente por volta de 11 horas os militares deram uma rápida trégua no movimento, quando foram chamados para uma operação de desocupação do ´esqueleto´ do antigo Beco da Poeira, no Centro. Mesmo assim, muitos se dirigiram ao local mostrando-se insatisfeitos. Como a operação acabou não sendo efetivada, a maioria dos PMs foi embora dali mesmo, sem retornar aos quartéis.

Desde domingo passado, os militares iniciaram o que eles chamaram de ´mobilização pelo movimento´. Na semana passada, um encontro realizado no Centro Poliesportivo da Parangaba decidiu pela ´greve branca´ a partir de domingo, quando foi montada a operação ´Tolerância Zero´. No mesmo dia, mulheres de PMs conseguiram fechar o quartel do Batalhão de Polícia de Choque (BpChoque), impedindo a tropa de seguir para o estádio castelão para fazer o policiamento do jogo entre Ceará e Fortaleza, decisivo para o Campeonato Cearense.

Durante todo o dia, apenas os policiais da equipe Raio(Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas) trabalharam no patrulhamento das ruas. Mas, por volta das 16 horas – durante a troca de turno – os militares daquela unidade de elite também aderiram ao movimento e deixaram de lado o policiamento.

Crimes

Entre a noite de segunda-feira e a tarde de ontem, a Ciops registrou seis casos de homicídio na Grande Fortaleza. Os crimes aconteceram nos bairros Planalto Ayrton Senna, Conjunto São Cristóvão, Vicente Pinzón, Barra do Ceará, Boa Vista e no Novo Maracanaú. Em nenhum dos casos houve prisão em flagrante dos criminosos. Contudo, as autoridades preferiram não atribuir a sequência de mortes à falta de patrulhamento nos locais onde os quatro de morte crimes aconteceram.

No começo da noite passada, após um encontro entre as autoridades e lideranças da categoria, na Procuradoria Geral da Justiça (PGJ), a expectativa era de que, no turno C (das 22 às 6 horas) o policiamento voltasse à normalidade. Entretanto, até as primeiras horas desta quarta-feira ainda havia muitas viaturas paradas nos pátios ou ruas próximas dos quartéis.

Frota parada

200 viaturas que fazem o patrulhamento diário na Grande Fortaleza ficaram paradas. O setor da Segurança Pública acabou sendo desativado

BRAÇOS CRUZADOS

Tropa demonstra resistência no movimento

Insatisfação e resistência. Este era o clima, ontem pela manhã, entre os policiais militares que continuavam no que chamavam de operação ´Polícia Legal´. Com uma cópia do artigo 145 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) nas mãos, que estabelece a obrigatoriedade de ser aprovado em curso de treinamento de prática veicular em situação de risco para pilotar um veículo como uma viatura, por exemplo, os PMs paravam cada vez mais viaturas nas companhias.

“Não vamos voltar atrás, estamos cumprindo a Lei”, disse um soldado. O sargento, ao lado, reforçou. “Precisamos nos unir, aproveitar que o movimento está forte e tem o apoio da sociedade”, disse.

É agora

Pátios lotados de viaturas, policiais a pé nas praças. No estacionamento do 5 Batalhão da PM, pelo menos 12 viaturas do Ronda do Quarteirão foram deixadas até ontem pela manhã. Ainda ontem, informações de que o Comando Tático Motorizado (Cotam) e o grupo Raio (Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas) tinham parado chegavam à Imprensa. “Vamos parar tudo, a hora é agora”, divulgavam policiais pela internet.

O movimento ficou tenso no meio da manhã de ontem quando um grupo de PMs dos Batalhão de Choque foi obrigado a deixar o quartel do 5º BPM e ir até o ´esqueleto´, onde ainda pairavam dúvidas sobre a ordem de desocupação dos permissionários.

“Não há uma determinação judicial, os policiais não vão agir sem o resguardo da Lei. Não foi apresentado qualquer mandado de despejo. Os PMs estão apreensivos com essa pressão que vem sofrendo. Pedimos ao governador que haja com sensibilidade”, disse Flávio Sabino, vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados do Estado do Ceará (Acsce).

Enquanto os PMs cercavam o prédio no Centro, esposas de militares já chegavam ao local para protestar. Na Região Metropolitana o movimento já tinha total adesão dos policiais militares e, em Canindé, um protesto já tinha sido iniciado na tarde de ontem, sinalizando que o Interior do Estado estava aderindo ao movimento.

Na Cavalaria

Enquanto a maioria dos policiais militares se concentravam na área Central de Fortaleza, em outra ´frente´, as integrantes da Associação das Esposas dos Praças Militares continuavam seus protestos. No meio da tarde chegava a informação de que parte do grupo havia se dirigido ao portão principal do quartel da Cavalaria, na Avenida Washington Soares, em Messejana.

Outra parte seguiu para a sede da Procuradoria Geral da Justiça (PGJ), no Centro, para participar da reunião entre a procuradora-geral, Socorro França; o secretário da Segurança Pública e Defesa Social, Roberto Monteiro; e os comandantes da PM, coronel William Alves Rocha, e do Corpo de Bombeiros, João Vasconcelos. Ao encontro também esteve presente o secretário-executivo da SSPDS, coronel PM Joel Costa Brasil.

MOBILIZAÇÃO

Militares vão realizar uma caminhada na Beira-Mar

Para ´engrossar´ o movimento, a Associação dos Praças Militares do Estado do Ceará (Aspramece) prometeu realizar, na manhã do próximo sábado, uma passeata na Avenida Beira-Mar, para chamar a atenção da sociedade cearense sobre os pleitos dos policiais militares.

“Queremos reunir mais de 30 mil pessoas no evento e, para isso, estamos convocando a sociedade em geral para vir se juntar a nós. Queremos também que participem da caminhadas as famílias das vítimas dos mais de 500 homicídios ocorridos este ano”, disse o subtenente Pedro Queiroz, presidente da entidade. Segundo ele, o objetivo é repetir o sucesso que foi alcançado na manifestação realizada em defesa da Proposta de Emenda Constitucional de número 300 (a PEC 300), que tenta nivelar os salários dos PMs de todo o País com o soldo dos colegas do Distrito Federal.

FERNANDO RIBEIRO/NATHÁLIA LOBO
EDITOR/REPÓRTER

ACUSADOS DE MATAR POLICIAL CIVIL SÃO PRESOS E CONFESSAM CRIMES

Postado em Atualizado em

FONTE: http://www.nominuto.com

Estão presos José Weberson Clemente, o “Binho”, 18 anos, e José Uildo Aovelino da Silva, 21 anos, autores confesso do crime.

A operação policial montada para prender os assassinos do agente da Polícia Civil, José Luciano de Oliveira, 35 anos, morto na tarde de terça-feira, em Felipe Camarão, entrou pela madrugada da quarta-feira, resultando na prisão de dois dos quatro assassinos e na apreensão de todo armamento usado no crime. Estão presos José Weberson Clemente, o “Binho”, 18 anos, e José Uildo Aovelino da Silva, 21 anos, autores confesso do crime.

A polícia continua em diligência para prender o irmão de Uildo, identificado como Paulo Aovelino da Silva, e um jovem chamado de Rodolfo. Um dos presos confessou ainda ter matado o homem chamado Marco Queimado há cerca de três meses em Felipe Camarão.

Nas diligências realizadas em ruas e morros do bairro, a polícia apreendeu um pequeno arsenal utilizado no crime. Foram localizados uma espingarda calibre 12, um revólver calibre 38 e duas pistolas calibre 380. Para as pistolas, o quarteto portava sete carregadores com 90 munições. Também foi apreendido uma pequena quantidade de droga.

Segundo apurou a polícia, o agente foi morto com a participação de pelo menos quatro bandidos. O policial trabalhava numa vigilância da Delegacia de Narcóticos quando foi surpreendido pelos assassinos. O quarteto, segundo informações, vigiava um ponto de venda de drogas. O agente sequer teve tempo de reagir. Em cima da moto, tombou com vários tiros a queima-roupa.

Após o assassinato, uma equipe da Delegacia Narcóticos que aguardava o agente nas proximidades do local do crime, prestou socorro à vítima e deu início as primeiras diligências. Colegas do policial assassinado se deslocaram para o bairro e colaboraram nas investigações. José Uildo foi o primeiro a ser preso. Ele tem maus antecedentes. Em dezembro de 2009 foi preso pela PM com um revólver calibre 38 com seis munições no tambor e quatro no bolso da camisa. Passou apenas cinco dias preso e, depois, foi liberado por determinação da Justiça.

Ao ser preso novamente, além de confessar ter estado na cena do crime do agente, José Uildo também revelou ter matado o próprio cunhado. “Ele (Marco Queimado) tinha jurado a gente de morte. Antes disso, eu, Paulo e Rodolfo acabamos com ele”, disse. A arma usada para matar Marco Queimado é a mesma utilizada no crime do agente.

O outro preso, José Weberson, disse que quando o policial se aproximou do local onde eles estavam foi recebido à bala. “Binho”, como é conhecido, estava armado com uma espingarda calibre 12 e foi um dos atiradores. Segundo ele, Paulo e Rodolfo estavam armados com pistolas inox calibre 380 e Uildo com um revólver 38. Ele, no entanto, não informou se Uildo tinha atirado.

Segundo Uildo, Paulo tem passagem “apenas” quando era menor de idade. “Ele foi preso por roubo de celular em Cidade da Esperança”, disse. Os dois presos foram autuados em flagrante delito pelo delegado da Especializada de Homicídios, Marcos Vinícius.

NOTA DO BLOG: Infelizmente a vida do companheiro da civil não volta, mas justiça foi feita (ao menos a prisão dos assassinos).