Por MPRN

IMG-20190605-WA0090“O livro As Facções Criminosas do RN – Sangue e Morte em Alcaçuz” é obrigatório para todo profissional que atua na área de segurança pública potiguar. A obra do sargento PM CS Barbosa, lançada este ano pela editora Offset, apresenta, de forma didática, o surgimento e o crescimento desse tipo de organização criminosa no Estado. O livro é fruto de 2 anos e meio de pesquisa do militar, que é bacharel em Direito e já atuou no Choque e no Bope.
“O objetivo do meu livro é apresentar o problema criado pelas facções criminosas na segurança pública do Estado e ajudar profissionais de segurança pública, juízes, promotores de Justiça, advogados e gestores públicos a entenderem um pouco mais sobre esse tipo de organização criminosa”, diz o sargento Barbosa.
Para ele, o fenômeno do crescimento das facções criminosas no Brasil se deveu a décadas de omissão do poder estatal ao sistema prisional. “As facções criminosas cresceram muito no país, por que o Estado não deu a atenção necessária ao sistema prisional, onde ocorriam espancamentos entre os presos, mortes, estupros, roubos e furtos. As facções passaram a proibir essas coisas dentro dos presídios e ganharam simpatia de outros presos. Começaram a resolver os problemas nos presídios de forma coletiva, o que ganhava força com a massa carcerária e com a direção prisional”, explica.
O sargento Barbosa reforça a forma violenta como as facções criminosas agem. “As facções passaram a regular o mundo do crime, cobrando mensalidades dos demais apenados batizados e outro meios de ganhar dinheiro. Outro terreno favorável para as facções criminosas crescerem é a ‘quebrada’, que em regra é um bairro, mas pode ser uma rua, uma comunidade ou até mesmo uma cidade onde o faccionado exerce suas atividades criminosas. As ‘quebradas’ têm mão de obra farta e barata, as facções recrutam jovens tanto para o tráfico, como para roubos, além de implantar nas cabeças desses jovens a ideologia do crime adotada pela facção. E quem não as cumprir, paga com a vida, bem como esquartejam inimigos pertencentes à facções rivais”, frisa.
Atualmente, o militar está lotado no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN). “Essa obra do sargento é importantíssima pela realidade dos fatos apresentados. O livro não é baseado apenas em teoria, mas na vivência prática dele enquanto policial militar. Para o MPRN, é uma satisfação ter em seus quadros um profissional dedicado ao estudo, ao aperfeiçoamento e à pesquisa”, falou o coordenador do Gaeco, promotor de Justiça Fausto França.
O livro As Facções Criminosas do RN – Sangue e Morte em Alcaçuz está à venda na banca do Atheneu, em Petrópolis, na Cooperativa Cultural da UFRN, na Revistaria Cultural do Nordestão da zona Sul, no Sebo Vermelho, na livraria Câmara Cascudo e na Dominus Militaria ao valor de R$ 40. A obra também está disponível para donwload por R$ 9,99 na Amazon (https://www.amazon.com.br/AS-FAC%C3%87%C3%95ES-CRIMINOSAS-DO-RN-ebook/dp/B07MY5QPS7/ref=dp_kinw_strp_exp_1_1) e na Saraiva (https://www.saraiva.com.br/as-faccoes-criminosas-do-rn-sangue-e-morte-em-alcacuz-10527692.html)