Número de policiais e militares no Legislativo é quatro vezes maior do que o de 2014

Postado em

quadro1 senaspO número de policiais e militares eleitos para o Legislativo pulou de 18 para 73 na comparação dos resultados das eleições de 2014 e 2018, segundo levantamento do G1, com base nos dados do TSE. Isso significa que os policiais e militares eleitos neste ano é quatro vezes maior do que as últimas eleições. Eles foram eleitos para as Assembleias, para a Câmara dos Deputados e para o Senado.

O levantamento leva em conta todos os candidatos que, no pedido de registro de candidatura, declaram seguir uma dessas profissões:

  • bombeiro militar;
  • policial civil;
  • policial militar;
  • militar reformado;
  • membro das forças armadas.

Por isso, o senador Major Olimpio (PSL-SP), por exemplo, não foi considerado nesse levantamento. No registro informado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o senador indicou que a sua ocupação era “deputado”.

Dos 73 policiais e militares eleitos neste ano, 43 (ou 58,9%) estão filiados ao PSL, partido do candidato a presidente Jair Bolsonaro. Entre eles estão Helio Negão, deputado federal mais bem votado no Rio de Janeiro, e Tenente Coronel Zucco, eleito deputado estadual pelo Rio Grande do Sul.

Depois do PSL, os partidos PP, PR e Rede tiveram mais policiais e miliares eleitos. PP registrou 6 políticos que informam ser policiais ou militares. PR e Rede têm 3 cada.

Nas eleições de 2014, o maior número de políticos policiais e militares foi eleito pelo PR. Naquele ano, foram 3. Os seguintes partidos registraram dois eleitos com aquela autodeclaração: PP, PT e PTB.

Por cargo

Desde 2002, dentre os policiais e militares eleitos, a maior parte ocupa uma vaga nas Assembleias Legislativas e na Câmara Distrital. Uma novidade das eleições de 2018 é a vitória de três senadores: Fabiano Contarato (ES), Capitão Styvenson (RN) e Delegado Alessandro Vieira (SE). Os três são da Rede.

quadro1 senasp

Os candidatos por categoria

Até 1998, a lista de ocupações disponibilizada pelo TSE era diferente da atual. Esses candidatos eram incluídos todos aqueles que declaravam como ocupação “militar em geral”, “militar reformado” ou “oficial das forças armadas e forças auxiliares”.

Naquele ano, das 14.760 candidaturas deferidas, 482 eram de candidatos que declaravam uma das três ocupações acima. Foram eleitos 18 deles, 14 estaduais, 1 distrital e 3 federais.

A partir de 2002, a lista foi modificada, incluindo as cinco categorias que são usadas até hoje.

FONTE: G1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s