Por Glaucia Paiva

Desde o último final de semana, os policiais militares lotados na Cavalaria estão se recusando a serem voluntários a tirarem serviços extraordinários através do pagamento de diárias operacionais.

A recusa se deu após a redução do número de diárias pagas pelo Comando de Policiamento Metropolitano para o mês de agosto, o que gerou uma desconfiança se o pagamento realmente seria cumprido.

De acordo com informações, o número de diárias disponibilizadas em toda a região metropolitana foi reduzida drasticamente, o que prejudicará o reforço na segurança pública e o próprio discurso do “Governador da Segurança”, que vem levantando a bandeira das diárias operacionais.

Com o discurso de que as diárias estão sendo pagas em dia, o Governador disse em entrevista a uma rádio de Caicó que não entendia o motivo da mobilização dos policiais. Contudo, os militares ainda possuem diárias atrasadas desde o ano de 2014, como as da Copa do Mundo, que segue sem qualquer previsão de pagamento.

Outro fato gerador do “boicote” das diárias, de acordo com um policial, é o valor pago pelo serviço extra, atualmente fixado em R$ 50 a cada seis horas de serviço, valor este congelado desde 2010.

“O Governo não paga os nossos níveis de R$ 80 para pagar diárias operacionais de R$ 50 que é mais vantajoso. Precisamos nos valorizar e cobrar primeiro o cumprimento do nosso subsídio”, desabafou um militar.