Por Tribuna do Norte

De acordo com Kalina Leite, secretária estadual de segurança pública, as limitações do orçamento não comprometem as primeiras ações da segurança pública. Uma delas seria a ostensividade: a ampliação do efetivo de Policiais Militares nas ruas. Desde o dia 2 de janeiro, a PM tem disponibilizado 300 diárias operacionais – uma forma de driblar o baixo efeito militar do estado (8 mil). A medida é uma forma de atrair os policiais que estão de folga para serviço extra.

Para a Região Metropolitana de Natal são destinadas 176 DOs. Já no interior, a média é de 25 diárias para as cidades pólo, como Mossoró, Caicó, Macau, Apodi e Alexandria. Entretanto, a média de policiais que se apresentam voluntariamente ainda não completa a escala, variando de 130 a 150 por dia, segundo o Comando do Policiamento Metropolitano.

A dificuldade na atração do policial é causada pela dívida de R$ 1,5 milhões em diárias não pagas, referente a operações extras feitas pelos militares, como a Copa do Mundo e as eleições. Os policiais têm se apresentado junto aos batalhões de origem, mas a maior parte dos militares que se voluntariam estão nos cursos de nivelamento do Centro de Formação e Aperfeiçoamento da Polícia Militar. Diariamente, cem policiais se apresentam, segundo o diretor do centro, coronel Francisco Canindé Spínola. Estes policiais são distribuídos em duplas em cruzamentos de maior movimentação nos bairros Tirol, Petrópolis, Cidade Alta, Alecrim e na orla da cidade. Nos bairros, de acordo com o Comando Metropolitano, a cobertura é feita por operações especiais de barreira, com atuação do BPChoque, BOPE e Rocam.

Soldado há 22 anos, Jota Nascimento, 42 anos, é aluno do curso de formação de cabos. Se apresenta dia sim, dia não, às 6h no CEFAPPMRN. Para ele, a DO é uma forma de ganhar um extra. “A gente tem que tentar ver se vai funcionar, tenho esperança de que eles vão nos pagar”, afirma. Já o soldado Hipólito Pinheiro, do 9º batalhão, afirma que só tira a diária para ganhar pontos no curso. “Estando de folga eu não tiro, não”, pontua.

Há uma previsão, de acordo com a Polícia Militar, de que as diárias operacionais atrasadas comecem a ser pagas. A expectativa, segundo Kalina, é que a participação aumente com os pagamentos. “A gente só supre a deficiência de recursos humanos na segurança se houver hora extra do policial. Com essa valorização, aparecem mais policiais”, garante.