DIÁRIAS DO CARNAVAL: Comandante Geral confirma repasse das diárias de viagem e diz que problema foi com o banco

Postado em

Por Glaucia Paiva

Na manhã deste sábado, 1º, muitos policiais militares entraram em contato com o Blog denunciando o não recebimento das diárias de viagem referentes ao Carnaval 2014.

Após verificar a informação, foi constatado que alguns PM’s receberam as diárias prévias relativas ao serviço do Carnaval 2014 e outros não, o que gerou desconfiança por parte dos que não receberam, os quais ameaçaram retornar e não trabalhar.

Contudo, o Comandante Geral da PMRN, Coronel Araújo, entrou em contato com o Blog e o mesmo informou que a Polícia Militar repassou todos os recursos para a conta de todos os PM’s que viajaram a serviço no Carnaval. De acordo com o Comandante, o Banco do Brasil não efetuou o crédito em todas as contas, apenas de alguns, e para outros o banco realizou como crédito futuro para o dia 05. “Nós repassamos o dinheiro para todos os policiais que viajaram. O problema foi que o banco não creditou”, declarou o Comandante.

Ainda conforme o Comandante, a Ordem Bancária 0368, no valor de R$ 284,5 mil deveria ter sido creditado na conta de 575 PM’s, mas como houve o problema com o Banco do Brasil, o gerente responsável pelo repasse, Sr. Edvanaldo, relatou que só seria creditado na quarta-feira (5) quando a instituição financeira reabrisse.

O Blog informou ainda ao Comandante sobre a ameaça dos PM’s em retornar dos interiores caso não fosse creditado ainda durante o período do Carnaval, e o mesmo solicitou compreensão dos PM’s, mas alertou que quem o fizesse teria de estornar todo o valor recebido para os cofres do Estado. “Nós repassamos o dinheiro na sexta. O problema foi do banco, não nosso. Peço compreensão dos PM’s para que permaneçam nos locais de serviço e esperem o crédito na conta na próxima quarta”, disse o Comandante.

Anúncios

6 comentários em “DIÁRIAS DO CARNAVAL: Comandante Geral confirma repasse das diárias de viagem e diz que problema foi com o banco

    wagno braga disse:
    março 5, 2014 às 21:29

    interessante é que sempre acontece um problema com o banco quando se trata de pagamentos para policiais !

    Oliveira disse:
    março 3, 2014 às 11:35

    Quando eu era criança as pessoas contavam a lenda do Papai Noel, mesmo tendo seis anos – pelo menos na minha mais antiga lembrança – eu dava risada dos meus colegas que acreditavam. Eles planejavam pedir ao Papai Noel coisas que o Estado se encarregava de roubar deles. O meu olhar para a situação era de pânico e diversão. Como pode alguém que passa fome e sede acreditar em algo contado por pessoas promotoras e gerenciadoras de tais dificuldades? A ingenuidade dos meus colegas de infância era a única alternativa para a situação (claro, tem a esperança como alternativa, outro erro?! hum… Não sabemos com certeza), eles não sabiam de outro meio para não acreditarem nesse ser que só aparece no fim do ano e só entra na casa pela chaminé (se a casa não tiver saída de fumaça… fodeu!); ainda tem o fato dele precisar receber a cartinha do necessitado. Ora, serviço de correio no Brasil não é nosso orgulho; para escrever carta é preciso saber ler e escrever – isso o Estado brasileiro se encarrega de suprimir com maestria; pedir ao Papai Noel comida e dignidade, liberdade e cidadania, água potável e educação, serviço de saúde e efetiva participação social só prova uma coisa: Papai Noel é um ser inútil para quem dele necessita. Se ele nunca trouxe sequer a solução para nenhuma dessas mazelas, no mínimo, Noel é uma piada. Para o máximo… vou poupar o bom velhinho. Acho que por isso me diverto tanto até hoje com ele no fim do ano, ou seria com aqueles que nele acreditam. Com efeito, ver alguém acreditando em um ser mais ligado às pessoas que nos trazem problemas ou fazem da nobreza e honestidade ornamento de roteiro de cinema é surreal, acho que engraçado também é cabível. A ligação de Noel com tais pessoas está nos “presentes esquisitos”… Não importa! Noel serve à outra função, essa não foi contada aos miseráveis.
    Exposto meu olhar para o “bom velhinho”, pergunto: Você, uma pessoa adulta, com uma instrução capenga – mas já tem experiência de vida e sabe ler -, conhece inúmeros casos semelhantes para fazer analogias, é capaz de raciocinar (embora de forma preguiçosa, ou seja, lentamente), vai acreditar no Papai Noel, ou mesmo na existência dele? Não me faça rir à toa. Ele, Noel do Pólo Norte, pode até existir, porém a veracidade que se distingue do que é veraz, ou vice-versa, não pode ficar de fora das discussões e falas em nenhuma época.
    Todavia, outro ponto ou questão gravíssima é o fato do bom velhinho ter nascido a contragosto: uma invenção de alguns interessados em fazer dormir o impulso bárbaro do homem em dias de grandes transformações sociais (tais transformações estão acontecendo, se é para melhorar a vida ou não… ainda nos é difícil saber). Ele não inventou a si mesmo, é mais uma invenção de uma série de articulações com o fim de ter um povo dentro de um curral invisível. A construção desse lar doméstico, mesmo para aqueles que não desejam estar no curral, se inicia com os mandamentos: se você for bonzinho ganhará um presente do Papai Noel no Natal; se você for um bom aluno receberá o carrinho pedido; se você ajudar o pai e a mãe nos afazeres doméstico noelzinho o presenteará com direito a um plus. É para morrer de tanto rir. Ainda tem mais, se você não cumprir todos os preceitos “noelísticos” terá que devolver o presente recebido ano passado. Ora, mas… espera um pouco… não é bem assim… isso é justo?!… como assim?! Irei devolver na mão do elfo ou do duende? Papai Noel terá tempo de receber as devoluções de suas criancinhas por não honrar o compromisso, mesmo sendo milhares delas? Poxa! Papai Noel parece desconhecer a distância existente e real entre a teoria e a prática de uma ação. Ele é um burocrata. Resta saber se por natureza ou por formação.
    Para dirimir qualquer dúvida, portanto, ainda vejo a crença no Papai noel como um artefato perigoso. Acreditar nele ou em sua existência só penaliza você, o crente miserável.

      Paulo Paulada disse:
      março 5, 2014 às 14:36

      Parabéns pelo post parceiro, é por causa de pessoas como vc que ainda acredito que é possível mudar essa realidade. Pena que fazemos parte de uma minoria silenciosa.

    beto fuscao/ jornalista. disse:
    março 1, 2014 às 18:50

    http://www.impaktopenitenciario.com.br, interessante, no estado do Parana, o mesmo problema com repasse de verbas. ate os cachorros do canil pagaram o pato.

    Medeiros disse:
    março 1, 2014 às 14:50

    Não entendi, a PCRN não teve problema com o BB, pois foi depositado as diárias na Sexta-Feira.

    lindemberg disse:
    março 1, 2014 às 14:17

    Desculpem-me mas só por curiosidade. Qual é o valor dessas diárias de carnaval? Pois estou acompanhado os colegas das Policias Militares da Bahia de do Rio Grande do Norte reclamando dessas tais diárias, que na verdade acho que é uma escravidão. Tenho um primo SGT da PMRN, que me conta que às vezes o policial tem que se deslocar para lugares que não tem a mínima condição de trabalho. Nós aqui na PMDF temos direito a 300,00 relativas a 8h de trabalho e, só quem é voluntário. Meu caso só volto ao trabalho às 13h da quinta 06 de março.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s