Soldado Glaucia

"O verdadeiro desafio não é inserir uma idéia nova na mente militar, mas sim expelir a idéia antiga" (Lidell Hart)

Arquivos da Categoria: força nacional

PM’s do RN compõem Força Nacional e realizam Operações em Estados de todas as regiões do país

Por Assessoria de Comunicação da PMRN

Cerca de vinte Policiais Militares do Estado do Rio Grande do Norte foram selecionados para comporem o efetivo da Força Nacional de Segurança Pública desde o último dia 13 de outubro.

Após realizar treinamentos no Batalhão Especial de Pronto Emprego (BEPE), Unidade de Elite da Força Nacional, os PM’s norte-riograndenses foram deslocados para os Estados do Pará, Alagoas, Mato Grosso do Sul, Roraima, Paraná, Rio de Janeiro e Distrito Federal, a fim de comporem Operações Policiais no intuito de reforçar a segurança pública nas localidades.

No Pará, os PM’s estão atuando na Operação Curupira, a qual combate o desmatamento ilegal na região norte do país. Já em Alagoas, os PM’s compõem a Operação Jaraguá, a qual realiza ações de polícia ostensiva, judiciária e de perícia em apoio aos órgãos integrantes do Sistema de Segurança Pública do Estado.

Em Mato Grosso do Sul, os Policiais Militares do RN compõem as Operações Guarani e ENAFRON, esta última também desencadeada nos Estados de Roraima e do Paraná. No Rio de Janeiro, os PM’s estão atuando na Operação Pacificadora, e no Distrito Federal, os PM’s compõem a Operação Divisa Segura.

Os Policiais Militares do Rio Grande do Norte permanecem à disposição da Força Nacional de Segurança Pública até outubro de 2013.

Sobre estes anúncios

SENASP adverte que Estados devem contratar mais efetivo policial

Por Portal Terra

Os estados que solicitam ao Ministério da Justiça a presença da Força Nacional de Segurança Pública devem procurar contratar mais policiais civis e militares. O alerta é da secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, em entrevista a Agência Brasil.

De acordo com a secretária, os governos estaduais que recebem o reforço têm que lembrar que a ajuda é temporária. Por isso, devem preparar as condições para que a tropa especial possa deixar o município dentro dos prazos previstos, sem prejuízo ao trabalho desenvolvido.

“A Força faz parte de um programa de auxílio aos estados, mas não pode ficar permanentemente em um mesmo local, nem substituir as forças de segurança locais. Desejamos que os governos preparem (as condições para) a saída do efetivo enviado pelo governo federal, capacitando suas polícias para que possam dar continuidade às ações de segurança pública”, disse Regina.

Ela explicou a forma como vai atuar o contingente que, a pedido do governo de Goiás, permanecerá por mais três meses no entorno do Distrito Federal, além dos 133 homens que chegarão Brasília nos próximos dias.

“Em Goiás, o acordo era para a Força Nacional atuar nas cinco localidades com os maiores índices de homicídio. Tem um ano e cinco meses que estamos lá. O número de ocorrências caiu, mas não houve aumento do efetivo goiano durante este período. O efetivo do Distrito Federal é suficiente para cobrir seu território, mas não para policiar as fronteiras com Goiás”, comentou Regina.

O secretário Segurança Pública do DF, Sandro Avelar, falou a respeito do déficit de policiais e reconheceu que a presença das tropas federais não elimina a necessidade da contratação de novos policiais.

Segundo Regina Miki, as duas frentes vão agir em conjunto. Nas cidades goianas do entorno do Distrito Federal, onde homens da força especial atuam desde março de 2011, a tropa continuará auxiliando no policiamento ostensivo e na resolução de inquéritos policiais parados por falta de profissionais. No Distrito Federal, o efetivo atuará em blitz nas estradas a fim de evitar a entrada de drogas e a ação de criminosos que deixam Brasília com veículos roubados e vítimas de sequestros-relâmpago.

Segundo levantamento da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, de cada três furtos de veículos registrados na capital federal, um é praticado por criminosos que fogem para o entorno, onde muitos deles vivem.

Para garantir a eficácia das ações, a secretária garante ter recomendado às secretarias de segurança pública de Goiás e do Distrito Federal a reativação o gabinete de gestão integrada e a retomada das reuniões conjuntas.

“O gabinete existe, mas suas atividades foram interrompidas, o que é algo injustificável e que não sabemos o motivo, se foi por mudanças de governos. Agora, concluímos que este gabinete tem que funcionar porque não se pode dizer que não há uma crise de segurança pública na divisa entre o Distrito Federal e Goiás e isso só será resolvido conjuntamente”, disse.

PEC transforma Força Nacional em órgão permanente de Segurança Nacional

Por Agência Câmara

A Câmara analisa proposta que transforma a Força Nacional de Segurança Pública em um órgão permanente de segurança nacional, com quadro de pessoal e carreira próprios. A medida está prevista na Proposta de Emenda à Constituição 195/12, do deputado Vanderlei Siraque (PT-SP).

Hoje, a Força Nacional reúne policiais selecionados dos estados e da Polícia Federal, mas que não deixam de atuar nos seus órgãos de origem. Após treinamento específico, eles retornam para suas funções e ficam à disposição do Ministério da Justiça para situações emergenciais. Pela proposta, a Força Nacional de Segurança Pública seria mais um órgão permanente de segurança pública, assim como as polícias federal, civis e militares.

De acordo com o texto, o órgão deverá atuar nos casos de comprometimento da ordem pública nos estados e no Distrito Federal. “Em uma sociedade democrática, os conflitos são normais. A ordem pública é violada e restabelecida cotidianamente. Entretanto, em alguns momentos, a violação da ordem pública não é prontamente restaurada, por diversos fatores, entre os quais: a falta de recursos humanos e de equipamentos, a incapacidade técnica, as rebeliões, os motins e as greves dos servidores responsáveis por esta função estatal, a hegemonia do crime organizado ou das organizações criminosas, o terrorismo e a crise política”, exemplifica Siraque.

Atuação nos estados

Pela proposta, a Força Nacional de Segurança Pública só poderá atuar nos estados após requerimento dos governadores. Além disso, será necessária autorização da Presidência da República. “Em respeito ao princípio federativo, a atuação da Força Nacional não será imposta pela União aos estados ou ao Distrito Federal. Pelo contrário, a sua utilização terá a função de auxiliar os governadores em situações de grave crise ou quando as forças policiais dos estados ou do Distrito Federal não tiverem condições por si mesmas de restaurar a ordem pública violada”, explica o autor da proposta.

Tramitação

A admissibilidade da proposta será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Se for aprovada, será criada uma comissão especial para analisar o mérito da PEC, que ainda deverá ser votada em dois turnos pelo Plenário.

Secretaria Nacional de Segurança Pública disponibiliza 17 vagas para PM’s do RN integrarem Força Nacional

Por Assessoria de Comunicação da PMRN

A Secretaria Nacional de Segurança Pública disponibilizou para a Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte dezessete vagas para PMs norte-riograndenses realizarem a Instrução de Nivelamento de Conhecimento (INC).

Os dezessete Policiais Militares selecionados ficarão à disposição do Departamento da Força Nacional de Segurança Pública (DFNSP) pelo período de um ano, prorrogável por 30 dias, com viagem prevista para o dia 13 de outubro do corrente ano.

As dezessete vagas são destinadas a Oficiais (3) e Praças (14), os quais serão submetidos a avaliação de saúde e física, além de comprovação de critérios para a seleção dos integrantes do efetivo da Força Nacional.

Para compor o efetivo da Força Nacional, o Militar não pode ter sido responsabilizado ou condenado pela prática de infração administrativa grave ou condenação penal pelos últimos cinco anos não deve responder a processo administrativo ou processo criminal na Justiça comum ou militar estar classificado, no mínimo, no comportamento “BOM” ser considerado “APTO” em inspeção de saúde e em teste de aptidão física realizados pela PMRN apresentar Certidão Negativa de Justiça Comum, Militar Estadual ou Corregedoria estar com as vacinas atualizadas possuir CNH, no mínimo na categoria “B” e não possuir Instrução de Nivelamento e Conhecimento (INC).

As inscrições para o Processo Seletivo para a Força Nacional serão realizadas no Quartel do Comando Geral da PMRN, na Diretoria de Pessoal, nos dias 06 e 07 de agosto (segunda e terça-feira), onde os Militares deverão se apresentar com um Memorando emitido pelo Comandante imediato, o qual informará possuir os requisitos necessários.

A relação dos dezessete Policiais Militares que irão compor o efetivo da Força Nacional de Segurança Pública deverá ser encaminhada à SENASP no dia 31 de agosto do corrente ano.

 

Força Nacional atuará no RN para prestação de apoio técnico e operacional em aviação policial

Por Tribuna do Norte

O Ministério da Justiça autorizou o emprego da Força Nacional de Segurança Pública no Rio Grande do Norte, Amazonas e Tocantins, para prestar apoio técnico e operacional em aviação policial. A autorização foi feita pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, segundo portaria publicada nesta segunda-feira (2) no Diário Oficial da União.

A Força Nacional irá aos estados para fazer a capacitação de profissionais de segurança pública em operação de aeronaves e radiopatrulhamento aéreo, para combate a incêndios, auxílio em catástrofes, resgate de vítimas, transporte médico e de autoridades.

As atividades estão previstas para durar 120 dias, mas podem ser prorrogadas segundo determinação do ministério.

PMRN abre processo de seleção para Força Nacional

Por Sd Glaucia

O Boletim Geral nº 174/2011, de 15 de setembro de 2011, publicou a Portaria nº 022/2011, a qual trata da seleção de efetivo policial para compor o contigente do Batalhão Escola dee Pronto Emprego – BEPE.

O processo visa selecionar 17 policiais militares do Estado , entre oficiais e praças, para permanecerem mobilizados pelo período de um ano, prorrogável por trinta dias.

As vagas são disponibilizadas inclusive para os policiais que não tenham concluído a Instrução de Nivelamento de Cconhecimento da Força Nacional de Segurança Pública.

A data da viagem do efetivo selecionado para o BEPE está prevista para o dia 05 de novembro do corrente ano.

Os interessados deverão se apresentar na Diretoria de Pessoal da PMRN com o respectivo Memorando de Apresentação e a Ficha de Inscrição nesta terça (20) e quarta-feira (21) no horário de funcionamento da DP/PMRN.

Informações pelo telefone 3232-6369.

FORÇA NACIONAL CONVOCA POLICIAIS MILITARES DO RN

O Ministério da Justiça solicitou ao Comando da Polícia Militar do Rio Grande do Norte 15 policiais militares, entre oficiais e praças, para compor o efetivo da Força Nacional numa mobilização de 90 dias.
A autorização e as normas para a seleção dos 15 policiais militares que participarão da mobilização nacional foi publicada através da Portaria nº 0018/2011, transcrita no Boletim Geral nº 121, de 30 de junho de 2011.
Para participar da seleção o policial militar deverá possuir o Curso de Instrução de Nivelamento e Conhecimento (INC).
As vagas são destinadas a oficiais e praças da Corporação, totalizando 15 vagas conforme abaixo:
  • Capitão – 01 vaga
  • Tenente – 02 vagas
  • Sargento – 02 vagas
  • Cabo – 03 vagas
  • Soldado – 07 vagas
Os interessados em participar da pré-seleção deverão se apresentar no Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) entre os dias 04 a 08 de julho (segunda a sexta-feira), das 08 às 12 horas, devidamente uniformizado com o “4º D” (Instrução) e com a Parte ou o Memorando de Apresentação expedido pelo Comandante, dirigido ao Comandante do BOPE.
Após a apreentação, os policiais militares pré-selecionados passarão ainda por exames de saúde e físico e deverão apresentar, logo após a realização do exame de saúde, os seguintes documentos:
  • Ficha de Inscrição do SENASP, preenchida e assinada;
  • Certidão Negativa da Justiça Comum e da Justiça Militar ou Corregedoria;
  • Cartão de Vacinação atualizado com vacinas para febre amarela, tétano e hepatite “A” e “B”.
Confira a íntegra da Portaria de Convocação, CLIQUE AQUI.
Matéria criada pela Sd Glaucia

DELEGADOS DA FORÇA NACIONAL CHEGAM AO RN PARA DESVENDAR CRIMES

Em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira o secretário estadual de Segurança Pública, Aldair Rocha apresentou os 17 delegados da Força Nacional de Segurança que irão atuar em parceria com os delegados potiguares na investigação de inquéritos criminais instaurados até o ano de 2007.
Os delegados vieram dos estados do Piauí, Pernambuco, Maranhão, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Rondônia. Serão investigados mais de 1.110 inquéritos emperrados desde 1992.
Os delegados da Força Nacional ficarão um período de 90 dias trabalhando em equipes com três delegados, com média de 300 inquéritos para cada equipe. De acordo com o secretário de Segurança, os delegados terão a disposição recursos informatizados como inquérito virtual e índices de depoimentos e arquivos dos processos.
Após a coletiva, os delegados seguiram para a Delegacia de Homicídios para iniciar os trabalhos.
FONTE: DN online 

NOTA DO BLOG: Lendo a notícia, me espantei com o número de inquéritos sem solução  (1.110) e mais ainda com o número de delegados designados para essa árdua missão, apenas 17. Sendo dividida em equipes de três delegados, com uma média de 300 inquéritos/equipe, subtende-se que cada delegado ficará com quase 100 inquéritos para serem solucionados em 90 dias. Com o montante de inquéritos a serem investigados, a pergunta que fica é de quantos serão arquivados. Eu arrisco um palpite: no mínimo, 50%.

FORÇA NACIONAL E SENASP SE TORNAM REDUTO DE NEPOTISMO

A Força Nacional de Segurança Pública (FNSP), que reúne policiais de diferentes estados, virou um reduto de nepotismo e está loteada por integrantes da Brigada Militar do Rio Grande do Sul nos principais cargos de comando.

O número 2 da Força Nacional, capitão da Brigada Militar do Rio Grande do Sul (BMRS) Luigi Pereira, empregou em Brasília a mulher, soldado Adriana Ruver, e a cunhada, soldado Ângela Inês Ruver.

Ambas foram mobilizadas pela Força Nacional, da qual Luigi é diretor-substituto e coordenador-geral de Operações, subordinado apenas ao diretor, major Alexandre Augusto Aragon.

Na prática, segundo o iG apurou, é o capitão quem comanda o dia-a-dia administrativo do departamento da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública).

Adriana, mulher do capitão, dá expediente na Coordenação de Ações Preventivas do Departamento de Projetos da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), à qual a Força está ligada. Ela já integra a FNSP desde janeiro de 2007, quando foi atuar no Rio de Janeiro.

Ângela, a cunhada, foi mobilizada em 16 de dezembro de 2010. Ela já atuou no gabinete da secretária nacional de Segurança, Regina Miki, e na inteligência da Força Nacional – dois locais estratégicos, onde tem acesso a um grande fluxo de informações. Atua oficialmente no Centro de Controle e Comando Integrado da Força.

O braço-direito e amigo do capitão Luigi, o sargento Geraldo Passos Bittencourt, também da Brigada Militar, foi outro a conseguir levar para a capital federal sua mulher, a sargento da Brigada Simone da Rosa Baldi.

Bittencourt está cedido ao Departamento de Pesquisa, Análise de Informação e Desenvolvimento de Pessoal em Segurança Pública (Depaid) da Senasp.

Mobilizada pela Força Nacional, Simone atualmente trabalha na Coordenação de Orçamento e Finanças, sob o policial federal gaúcho João Antônio da Silva Brasil.

Brasília, onde funciona o comando do órgão da Senasp, é o lugar mais cobiçado por integrantes da Força Nacional, que atualmente reúne cerca de mil policiais de todo o País. Na capital federal, a diária dos mobilizados é de R$ 224 – ou R$ 6.720 mensais. Em outros lugares, a diária cai para R$ 177 – ou R$ 5.310. Esse valor é acrescentado ao salário dos policiais em seu Estado de origem.

Na antessala da secretária nacional

O nepotismo não se restringe à Força Nacional e chega ao gabinete da secretária nacional de Segurança, Regina Miki. O chefe de gabinete de Regina Miki, tenente-coronel Agnaldo Augusto da Cruz, também levou para a capital federal sua mulher, sargento PM Salésia, de Goiás – estado de origem dos dois.

De acordo com a assessoria de imprensa da Senasp, ela atua na Ouvidoria da Senasp, “na condição de colaboradora eventual”, desde a época em que marido era colaborador eventual lotado na Força Nacional. O órgão afirma que a Ouvidoria é ligada “funcionalmente à secretária, não tendo qualquer vínculo com a Chefia de Gabinete (ocupada pelo marido de Salésia)”.

Esvaziamento da Força

Criado em 2004 como uma espécie de tropa de elite da polícia dos estados para apoio em situações de crise, o departamento da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança) tem sido aos poucos esvaziado e perdido poder. Após o auge nos Jogos Pan-Americanos de 2007, quando teve 3.700 integrantes, hoje são cerca de 800 policiais à disposição.

Já chamada para atuar no Rio em situações de crise no Complexo do Alemão, em 2007, por exemplo, a Força foi preterida em novembro passado. Em seu lugar as Forças Armadas participaram ativamente e auxiliaram as polícias do Rio na tomada dos complexos de favelas na região da Penha.

Antes dirigida por coronéis, o atual diretor é um major, dois postos abaixo no oficialato militar. O que para um civil pode parecer não fazer diferença representa muito no hierarquizado universo militar, no qual a Força Nacional se inclui. O comandante do departamento está em contato constante – frequentemente fazendo pedidos – com o Estado-Maior das unidades da federação, composto por coronéis. Nessas situações, de acordo com oficiais que conhecem o modus operandi da Força Nacional, a antiguidade militar prevalece e a FN perde poder de negociação.

FONTE: Último Segundo, sugerida por um leitor

FORÇA NACIONAL É ENVIADA À PARAÍBA EM RAZÃO DA GREVE DOS POLICIAIS MILITARES

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou nesta terça-feira (1º) o envio de tropas da Força Nacional de Segurança Pública para a Paraíba, após pedido feito pelo governador do Estado, Ricardo Coutinho.

As tropas federais ficarão no Estado até o término da greve dos cerca de 15 mil servidores da segurança pública paraibana. Os policiais embarcam nesta quarta-feira (2) para João Pessoa.

A paralisação atinge policiais civis, policiais militares, bombeiros militares e agentes penitenciários do Estado.

Segundo o Ministério da Justiça, o efetivo da Força Nacional enviado ao Estado não será divulgado por questões de segurança.

FONTE: Uol

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.941 outros seguidores